Valle Del Colca, a coisa mais bonita que eu já vi na vida (dicas de como chegar, como é o passeio e qual o “lado ruim” dele)

Uma das grandes vantagens do Valle Del Colca é que ele não é tão fotogênico quanto poderia ser. Feliz ou infelizmente, nenhuma foto consegue fazer jus à beleza daquele lugar.

O Valle del Colca é lindo demais

Se eu me baseasse só pelas fotos que vi, não me pareceria tanto que acordar às 3 da manhã pra encarar mais de 4.000 metros de altitude, ar rarefeito e consequentemente um soroche ferrado valeria tanto a pena. Nem pra ver condores voando, nem pra ver aquele vale místico gigantesco e cheio de cor, nem pra ver um dos canyons mais profundos do planeta, nada.

Mas assim que cheguei lá, só conseguia exclamar “UOU”, e minha boca ficava aberta 80% do tempo.

alpacas maravilhosas
família de alpaquinhas adoráveis ali no fundo

Não fui só eu. Em algum momento, minha companhia na viagem virou pra mim e perguntou “essa também é a paisagem mais bonita da sua vida?”, e eu não pensei mais de 2 segundos pra responder que sim, com um calorzinho gostoso no peito, e uma gratidão enorme por termos a oportunidade de ver algo tão lindo.

Claro que vai do gosto de cada um: você pode não gostar tanto de vales, ou pode já ter visto o Machu Picchu e não achar mais graça em nada no Peru desde então. Tem quem recomende visitar o Valle Del Colca só se for antes do Machu Picchu, mas eu sinceramente desconfio que o Valle tem potencial é pra ofuscar outros destinos, e não o contrário.

paisagens-mais-bonitas-do-peru

Além disso, lá não é um destino tão conhecido pelos viajantes (explico o possível motivo em tópicos abaixo), o que ainda pode render uma experiência mais surpreendente, já que você vai sem muita expectativa e sem ouvir tantos relatos anteriores.

E nesse relato aqui prometo não te dar tantos spoilers (se bem que mesmo se eu desse todos os spoilers possíveis valeria muito a pena ir pro Valle e pra Arequipa).

caminhando-no-peru-2

Como chegar no Valle del Colca / Cânion do Colca?

Pra chegar no Valle del Colca, o seu ponto de partida vai ser a cidade de Arequipa (que merece um destaque à parte de tão cheia de história e beleza que é também).

E aqui cabe dizer que pelos relatos que eu lia, o itinerário pro Cânion do Colca me parecia muito mais “sofrido” e complicado, mas chegar lá foi muito mais simples do que parece.

As únicas partes realmente “sofridas” foram: acordar 3 da manhã (e sair correndo sem tempo nem pra pentear o cabelo – vocês podem notar que realmente faltou tempo pra isso pelas fotos); e ter que se segurar pra não comer muito lá em cima.

vulcao-lindo-no-valle-del-colca

Você vai se deparar com uma comidinha muito gostosa nas vilazinhas do Vale, e possivelmente vai querer repetir o prato. Mas não repita. Nunca repita. Sei que é uma missão hercúlea, mas quando o ar começar a faltar e o soroche bater com força, bate um arrependimento que sopa de quinoa nenhuma faz valer a pena.

Mas não é pra se assustar com a possibilidade de passar mal também, só pra se prevenir. Pode ser que você não sinta nada demais.

caminhando peru

“E como é esse passeio aí no Valle del Colca?”

A viagem no Vale do Colca é dividida em várias partes.

Você pode contemplar o vale em si, pode ficar boquiaberto com os condores voando no “Mirante Del Condor” (essa parte nem me deixou tão boba, porque eu já tava embasbacada o suficiente com a paisagem de antes, mas ao que tudo indica é a preferida da maioria), babar em um dos cânions mais profundos do mundo (tem o dobro de profundidade do Grand Canyon) e também derreter vendo uma reserva linda de alpacas, lhamas e vicunhas adoráveis (postei umas fotos lá no instagram que dão uma vaga noção da beleza do lugar), além de ter uma visão mais próxima do vulcão.

E o Vale também é um lugar bom pra trekking, rafting, montanhismo, e curtir uns banhos termais nos vilarejos de lá.

Ou seja: o que não falta é coisa pra fazer nessa viagem.

amando o peru

É possível dividir o passeio da forma que você achar melhor: seja indo num bate-e-volta de um dia, se não estiver com muito tempo (ou se preferir usar seu tempo pra curtir outras coisas); seja se hospedando numa das vilazinhas e curtindo o Valle del Colca com mais tempo.

Na modalidade “bate-e-volta” (também conhecida como “estou sem tempo mas desesperado pra conhecer esse lugar”), você sai de madrugada de Arequipa, geralmente em uma van com vários outros viajantes morrendo de sono e todos bem encapuzados, em direção ao Cânion do Colca.

Você sai do seu hotel / hostel quando tá tudo escuro mesmo, o nascer do sol vai ser no meio da estrada, e talvez você consiga ver um céu bonito. O que você vai ver com certeza no caminho é muita vicunha. Tem tantas na estrada que você vê até aquelas placas de “cuidado, vicunhas”.

1igrejinhaperu
igrejinha num dos vilarejos do Vale do Colca

Seja lá qual modalidade você escolher pra conhecer o Cânion do Colca (bate-e-volta ou se hospedando lá no Vale), adianto que tem muita gente que reclama dos dois lados, assim como tem gente que consegue apreciar as duas formas.

Sendo franca, li tanta gente reclamando tanto de todas as formas que quase desisti de ir. Ainda bem que ignoramos tudo e fomos, porque valeu a pena demais, e essa experiência ainda me serviu pra constatar que a beleza tá mesmo nos olhos, na disposição e no humor de quem vê.

Então, se você tá muito na dúvida de qual o “melhor jeito” de ir ao Vale: só vá, do jeito que estiver ao seu alcance / dentro das suas possibilidades financeiras (e de tempo), e sem se cobrar nem criar expectativas de um passeio perfeito. Assim você curte mais (e depois vem aqui me contar como foi!)

O “lado ruim” do Valle del Colca:

Sintetizando as maiores reclamações, pra você poder escolher qual te incomoda menos: quem vai no passeio de um dia reclama que é muito cansativo, corrido, que passou mal e que não deu pra curtir nada. Já quem se hospeda nas vilas, reclama que perdeu muito tempo da viagem numa vila pequenininha que não tinha muita coisa pra fazer, em hotéis sem infra, e depois de algum tempo morreu de tédio e tava arrependido de ter ficado lá.

Moral da história: se você for do tipo que reclama bastante, vai ter um prato cheio nas duas “modalidades”.

queridas alpacas obrigada por existirem4

Apesar de todas as possíveis reclamações, o Vale do Colca é inegavelmente bonito pra caramba, e lá você ainda vai ter oportunidade de contemplar e quem sabe fazer carinho num tanto de alpaquinhas e lhamas. Esses seres são tão lindos, dóceis, com aquele pêlo embasbacantemente macio e fazendo o sonzinho mais gostoso do mundo quando recebem um carinhozinho, que já fizeram valer a viagem toda.

Por sinal: você vai voltar do Valle del Colca finalmente sabendo a diferença entre alpaca, vicunha e lhama. Vão ter tantas por lá, que cê vai memorizar bem como é cada uma.

Qual a melhor época pra visitar o Valle del Colca?

Escrevi mais sobre a melhor época pra ir num “Perguntas e Respostas” mais abaixo nesse post, mas adianto aqui que achei que em março/abril, as cores do Vale tavam bem fascinantes. O frio era suportável, amenizado por um solzinho, mas quando se chega nas partes acima dos 4.000 é fundamental se agasalhar, mesmo que o sol te engane, já que você encara um vento cortante e realmente congelante por lá.

Vulcão no Valle del Colca

No outono e inverno a viagem pode não ser tão agradável, porque o frio é bem mais cruel, mas pra quem for muito apaixonado por frio e neve (o que definitivamente não sou, então não posso opinar – já fiz até paródia de “Você quer brincar na neve?” de Frozen pra falar sobre isso, que cê pode assistir e rir da minha cara aqui), talvez possa ser bom negócio.

Logo: se você é fã de congelar, pode ir pro Valle del Colca em qualquer época. Se não é, vá em março/abril, que aí você vai congelar de todo jeito, mas menos.

“Mas por que o Cânion do Colca, mesmo sendo tão fascinante, é tão pouco conhecido?”

O que desconfio que acontece que “ofusca” o Valle Del Colca é o seguinte: a maioria das pessoas costuma planejar a viagem pro Peru num período sem chuvas em Cusco (visando Machu Picchu), que coincidentemente é um período bem frio (maio a setembro), e em que o verde do Valle del Colca não tá tão “vivo”.

Se você for pra Arequipa e pro Cânion do Colca nesse período, realmente deve sofrer com tanto frio e nem deve ver tanta graça.

Solzinho no Valle del Colca

Podendo optar, deve ser melhor ir pro Vale do Colca no verão ou na primavera como acabamos fazendo. Maaas arrisco dizer que eu me apaixonaria em qualquer circunstância e qualquer época por aquele cenário deslumbrante, habitado por aquelas alpaquinhas maravilhosas.

Agora deixo vocês com esse combo de animaizinhos adoráveis no Vale e algumas perguntas e respostas possíveis quanto ao passeio:

alpacas-e-lhamas-no-valle-del-colca
1. “Como ir ao Valle del Colca? Onde encontro os passeios? E qualquer pessoa pode ir?”

O mais importante nesse tópico é em relação à sua saúde (passeio nenhum vale colocar sua vida em risco): deixa pra decidir se vai ou não (e quanto tempo vai ficar no Vale) só quando chegar em Arequipa (cidade mais próxima do Vale do Colca e ponto de partida), porque primeiro você precisa se aclimatar e descobrir como vai ficar na altitude (lembrando que o Vale tem partes acima de 4.000 metros).

4.000 metros é bastante coisa. E o Valle ainda vai ter partes mais altas do que isso. Se você quiser ler um pouco mais sobre a necessidade de cautela com altitude, tive crise braba de “soroche” (que é como chamam o mal de altitude) até em Bogotá, na Colômbia, que tem uma altitude inexpressiva se comparada ao Valle del Colca, e escrevi sobre ela aqui: Bogotá ou “não tô conseguindo respirar”.

Claro que cada um é cada um, e pode ser que você não sinta absolutamente nada. Mas vai com calma pra descobrir aos pouquinhos qual é seu caso (no próprio texto de Bogotá, por exemplo, um leitor relata nos comentários não ter sentido absolutamente nada por lá).

Agora, voltando ao Valle del Colca: passou um tempo em Arequipa, ficou bem/já tá vindo de Cusco ou Puno/não tá botando as tripas pra fora? Aí sim, vá à Plaza de Armas de Arequipa, e lá a abundância de agências oferecendo a viagem pro Vale do Colca a preços e esquemas variados é enorme. Sinceramente você nem vai precisar procurar, porque os agentes já te “atacam” no meio da rua oferecendo enquanto você tá andando.

(Aproveita e lê também sobre onde se hospedar em Arequipa)

Cânion do Colca

2. “O que é necessário levar pro Cânion do Colca?” Definitivamente óculos escuros, um agasalho bom (preferencialmente impermeáveis/corta-vento, porque o vento é realmente cruel e cortante em algumas partes), e que você possa tirar facilmente quando bater um solzão (a gente fica oscilando num bota-casaco-tira-casaco-bota-casaco, então leve um que seja prático), água, protetor solar, e hidratar a boca eventualmente, que se for igual a minha vai ressecar e queimar toda (:( chuinf).

3. “É caro ir pro Valle del Colca?” NEGOCIE. NEGOCIE. NEGOCIE!!! Os caras começam colocando um preço lá em cima, e você pode conseguir diminuir substancialmente se negociar. Um preço estimado não consigo dar, porque varia demais de acordo com o esquema que você fechar (mas todas as idas costumam incluir refeições no Vale, e a ida até o Mirador Del Condor), mas a única dica que posso dar com certeza é: não aceite o primeiro preço que te oferecerem.

E pro tanto que valeu a pena (pra mim), não foi caro não. Faz aquela carinha de “hmmm, droga :/ tá caro, não vai dar” (que é uma carinha sincera quando se é viajante econômico) que rola um desconto!

Qualquer outra dúvida fica à vontade pra mandar nos comentários! E pra ler mais posts sobre esse país sensacional, é só olhar a categoria “Peru” lá em cima no menu.

AH, e agora o 1 viagem, 2 visões deixou de ser excluído do século 21 e tem uma página no facebook também! Lá tem mais fotos do Vale, inclusive! Seja um dos nossos primeiros seguidores e nos deixe radiantes de felicidade (a gente fica mesmo)!

12 comentários sobre “Valle Del Colca, a coisa mais bonita que eu já vi na vida (dicas de como chegar, como é o passeio e qual o “lado ruim” dele)

  1. Sempre havia imaginado que Machu Picchu seria definitiva porém o passar do tempo e novos lugares fazendo parte da bagagem me fez viver cada um deles como são em toda a sua beleza: cultura, povo, natureza, arquitetura, folclore, alguns coloridos outros mais sombrios mas cada com o seu jeito de ser, cabendo dentro do inesquecível. Gostei muito dos relatos. Meu abraço.

    Curtido por 1 pessoa

    1. fiz minha primeira viagem ao Peru em 1986, por corumbá e depois trem da morte fui direto até cuzco e agua calientes em machu-pichu tudo inesquecivel. No caminho me abriguei num lugarejo chamado Olantaytambo de onde parte o trem turistico para a cidade perdida mas descobri que uma hora depois sai o trem para os campesinos e fui nesse; ganhei em tudo o preço é quase 10% do outro e voce viaja com lhamas e campesinos que tem muito pra ensinar…
      Fui sem querer para Arequipa e que cidade linda, mais interessante que Cuzco, uma volta no tempo…
      estou me preparando para voltar e agora vou incluir o vale da coca ! grato pelas dicas.

      Curtido por 1 pessoa

      1. Feliz que as dicas foram úteis, muito obrigada por compartilhar sua história! Viajar com lhamas já é vitória pura hahaha e Arequipa realmente é uma joia ainda subvalorizada no Peru. Essa viagem deve ter sido linda! E a próxima vai ser mais linda ainda, com o Colca. Qualquer dúvida pode mandar nos comentários e buscar nos posts, no que eu puder ajudar, é sempre um prazer. Depois conta como foi!

        Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s