Buenos Aires, pero no mucho (o lado ruim da cidade)

Alguns anos atrás eu viajei pra Buenos Aires com uma amiga, e apesar de ter sido uma viagem divertida (mais pela companhia do que pelas atrações), a cidade não me deixou tão deslumbrada como a maioria esmagadora das pessoas costuma ficar.

Claro que isso era questão de opinião, e que essa opinião poderia estar simplesmente afetada pelos lugares que visitamos, onde nos hospedamos e muitos outros fatores (como até meu estado de espírito no momento), mas eu realmente não saquei qual é o grande “tchuns” de Buenos Aires que faz pessoas voltarem lá mais de 30 vezes.

street-art-no-bairro-recoleta-buenos-aires
apesar de Recoleta ser realmente um chuchuzinho

Mas nesse texto vou tentar não só resmungar, e sim explicar o por que do “resmungo”.

Daí vocês podem avaliar se eu que tô vendo coisa onde não tem, e me corrigir também nos comentários.

O lado ruim de Buenos Aires

Minha grande implicância com BSAs é que (pra começar, me criaram toda uma expectativa, que aí fica difícil de suprir) lá me parecia uma cidade grande normal, como quase qualquer cidade grande.

E ainda assim não tão cheia de opção quanto, por exemplo, São Paulo, o que não justificaria uma viagem (pra mim) só pra ver “uma cidade grande” ou curtir algumas atrações aqui e ali.

Na verdade, eu tive a (provavelmente falsa) impressão de que em uma única viagem, e bem curta, já deu pra ver quase tudo que interessa lá.

Enquanto isso, amigos me contavam coisas como “já fui pra lá três vezes“, “Buenos Aires é INCRÍVEL”, “amo o alfajor de lá”, “MUITO LEGAAAL”, “TÃO LINDA” e afins, com um entusiasmo que pessoas às vezes não teriam nem pra falar que foram sorteadas na telesena (mas eu também nunca vi ninguém falando que foi sorteado na telesena, então não sei do que tô falando).

A ironia é que nem do alfajor de lá eu gostei tanto (já falei sobre isso aqui).

Achei meio surreal que uma das maiores atrações da cidade fosse, por exemplo, um cemitério, por mais bonito que ele realmente seja.

estatuas-no-cemiterio-da-recoleta-em-buenos-aires
nesse cemitério da Recoleta tem um tanto de estátua linda (essa foto foi tirada com minha câmera mais furrequinha do planeta na época, então essa daí certamente era bem mais bonita do que tá parecendo)

E achei mais surreal ainda que lugares como o Shopping Abasto, que é realmente lindíssimo e ultra acessível de metrô, ou o Teatro Ciego, que é uma iniciativa brilhante, fiquem tão fora do roteiro de viajantes. Se a gente não tivesse passado perto por acaso, nunca teria descoberto esse último, aliás.

teatro-ciego
Teatro Ciego em Abasto, baita iniciativa genial (e que tava fechada quando vi :|)

Ao mesmo tempo, Buenos Aires ainda me parecia carente de belezas naturais como o Rio ou outras cidades do Brasil.

E enquanto não tinha tantas atrações quanto uma cidade que tá logo ali do nosso lado (São Paulo), também definitivamente não tinha aquele clima gostoso que algumas raras cidades grandes tem, de “cidade grande com ar de cidade pequena”.

Então embora não tivesse exatamente “o pior dos dois mundos”, a verdade é que não encontrei o melhor de nenhum dos mundos por lá.

Os “aires” não tão “buenos”

Eu falei ali em cima que Buenos Aires, na minha impressão, não tinha tantas atrações como São Paulo, por exemplo, e por isso não me instigava tanto a voltar um dia. No entanto, já me apaixonei por cidades que não tinham absolutamente nada pra fazer.

Sabe quando a atmosfera de um local te encanta, e isso já basta pra te fazer querer voltar (ou até morar) lá?

Então, isso definitivamente não aconteceu em Buenos.

E talvez eu esteja enganada, mas aquela atmosfera caótica com pessoas gritando “CÂÂMBIOOO” a cada esquina (e oferecendo notas falsas na maior parte das vezes), aquela correria geral e todo um ambiente explícito de “estamos em crise” (afinal o país tá mesmo em crise desde que me entendo por gente) não gerava um clima exatamente bom.

Achei que lá tem uma atmosfera de “centro de cidades grandes brasileiras”, sabe? Isso quando você não limita seus passeios só a pedaços específicos de Palermo, Recoleta, ou Puerto Madero, obviamente.

buenos-aires-recoleta-estatuas
Recoleta

Mas você pega o metrô para conhecer um lugar bonito e nesse metrô entram pedintes com crianças no colo e um semblante tão triste que é difícil continuar feliz mesmo vendo a população tão castigada.

Você vai num shopping incrivelmente lindo, e dentro dele tem uma criança chorosa mendigando comida. Fica quase impossível não se impressionar e ficar mal, querer ajudar todo mundo e não poder, e consequentemente se desanimar na viagem com essa situação e total impotência.

Mas claro: isso que eu tô narrando já tem um tempo (quase 3 anos) e talvez a situação possa ter mudado um pouco por lá (ou piorado, nunca se sabe).

Ah, e quer saber de uma coisa que me deixou danada? A tal livraria “El Ateneo”, lindíssima, que todo mundo vê em fotos impressionantes e recomendações de “o que fazer em Buenos Aires” (PLOT TWIST)… é mó pequenininha.

Pelas fotos ela parece um baita teatro municipal rodeado de livros ou coisa parecida, mas chegando lá você já dá de cara com o pedaço em que tira a foto, e aí… cabou.

livraria-el-ateneo-em-buenos-aires-possivelmente-a-mais-bonita-de-la
é inegavelmente bonita (e inegavelmente menor do que as fotos fazem a gente acreditar)

“Mas o Brasil tem disso também”

Eu sei que o que descrevi não é nem um pouco diferente do que a gente vê em várias cidades do Brasil (tirando a parte do “CÂÂMBIOOO” em cada esquina).

O que digo não é que me surpreendeu ver uma atmosfera tão caótica, de crise e tristeza em Buenos Aires.

É justamente o contrário: tô dizendo que a cidade não me surpreendeu. Afinal tem muitas semelhanças com o Brasil nos aspectos negativos, algumas ainda agravadas, e poucas diferenças que me fizeram suspirar.

cupcakes-rosas-com-coracao-na-casa-da-barbie-em-buenos-aires
outra “farsa” de Buenos Aires que me deixou danada: os cupcakes na Casa da Barbie são muito bonitinhos, mas não são tão gostosos >:/

Países em crise também nem são empecilho pra se gostar da viagem, afinal, o próprio Brasil tá em crise e nem por isso deixa de ser um destino fantástico pra qualquer viajante.

Acontece que países podem estar em crise mas você visitar cidades com paisagens fascinantes, uma atmosfera agradável ainda assim, coisas interessantíssimas pra se ver e fazer… e bom, eu não vou dizer que Buenos Aires não tinha nada disso, mas sim que, pelo menos eu, falhei em perceber.

Talvez se eu tivesse me hospedado no bairro lindo da Recoleta, Retiro, ou no pedaço mais movimentado de Palermo (porque Palermo tem pedaços infernais de caminhar que só tem parques gigantes – muito lindos porém sem nada próximo, e às vezes nem uma árvore na calçada pra fazer sombrinha na sua cabeça), e tivesse me limitado a esses bairros e outros pontos bonitos, a experiência seria absolutamente diferente.

street-art-em-buenos-aires-carlos-gardel-no-bairro-abasto
Em Buenos Aires tem muita street art bacana, definitivamente, e em Abasto você vê um monte do Carlos Gardel

Daí eu teria como impressão mais forte de Buenos Aires aquele pedaço em que fiquei: um pedaço bonito, seguro e cômodo. Por isso que acredito que atentar pra hospedagem em viagem é talvez a coisa mais importante pra não estragar toda a experiência (depois da companhia).

Moral da história

Essa história não tem moral, e eu posso perfeitamente estar horrorosamente errada nas impressões sobre a cidade.

Acontece que eu definitivamente queria (e ainda quero) conhecer o lado bom de Buenos Aires, pra não ser injusta e só largar um post sobre o lado ruim aqui. E conhecer mais cantos da Argentina, obviamente.

Até porque lá tem muito (mas muito) mais coisa do que Buenos Aires, como Puerto Iguazu, Mendoza, Ushuaia, Córdoba, El Bolsón, Bariloche, La Rioja, Salta e etc (bota etc aí).

galerias-pacfico-argentina-buenos-aires
Galerias Pacífico em Buenos Aires

Afinal, a gente tá falando do segundo maior país da América Latina, então a abundância de paisagens e possibilidades por lá não é pouca coisa.

É como se alguém viesse pro Brasil, visitasse só uma cidade, e falasse “não gostei do Brasil, muito feio”.

A pessoa claramente não faz a menor ideia do que tá falando, já que aqui a cada esquina as paisagens e as realidades mudam totalmente, e nem quem mora no país costuma conhecer 1/10 dele (e a pessoa não faz a menor ideia do que tá falando também porque a gente é bem abençoado com paisagens fantásticas).

Daí que às vezes me bate essa sensação de que eu tenho que voltar pra Buenos mesmo, quase como se eu tivesse “viajado errado” e por isso não captado tudo de bom que a capital tinha pra oferecer (ou vai ver eu só tava de mau humor na época, tem disso).

carlos gardel argentina.jpg
mais street art bacana do Carlos Gardel (e eu comendo cabelo)

E como acho que a cidade vai acabar sendo revisitada em algum momento, deixo perguntas aqui pra quem já foi (ou quem tem muita vontade de ir), que realmente vão ser uma mão na roda:

Pode mandar nos comentários:

1. O que você mais gostou por lá (ou se ainda não foi, mas tem muita vontade de ir, o que mais te mais te instiga a ir pra Buenos Aires um dia)?

2. Que passeios você recomendaria, preu deixar de ser implicante com a cidade?

Ou conta se você se frustrou também.

Todas as sugestões definitivamente vão ser consideradas com carinho e vou ficar bem grata por elas. Talvez a gente esteja voltando pra lá muito em breve e vamos precisar mesmo das dicas!

Termina aqui o desabafo, e sigam o 1 viagem, 2 visões no facebook!

Façam parte desse momento marcante e sejam uns dos nossos primeiros seguidores: nem nossas mães nos seguiram ainda – estamos esperando, mãe(s)!

30 comentários sobre “Buenos Aires, pero no mucho (o lado ruim da cidade)

  1. Ó , nunca fui, mas fiz uma pesquisinha rápida e achei esses lugares aqui interessantes (além do Shopping Abasto e do Teatro Ciego):

    Visitar:

    Reserva Ecológica
    Palácio Barolo
    Jardim Botânico
    Floralis generica
    Palacio de Aguas Corrientes
    Parque 3 de Febrero
    Jardin Japones
    Museo Historico Nacional
    Planetario Galileo Galilei
    Parque Centenario

    Compras:

    Feria de San Pedro Telmo
    Galerias Pacifico

    Hospedagem:

    Bairro Belgrano

    Curtido por 1 pessoa

  2. Amei o texto, uma visão diferente da cidade. Eu concordo em parte, pois fiquei muito mal impressionada com El caminito, ponto de parada obrigatória para qualquer turista e uma desilusão total para mim, perigoso, fedido e exageradamente turístico e a livraria também não me agradou, fui de metro, me perdi, cheguei cansada e achando o transporte público local uma porcaria ( nossos ônibus e metrô dão de dez no deles) . Mas Buenos Aires em si é encantador: tomar um bom vinho num dos maravilhosos restaurantes da cidade, andar pela Porto Madero, fazer compras na Galeria Pacífico, tomar um café no tortoni, visitar o museu nacional de artes decorativas, tomar um café da manhã no hotel Alvear e comer o brunch do four Seasons são experiências inesquecíveis! Já fui a cidade umas 4 vezes e voltaria ! Ah e claro o Tango! Tem que ter um espetáculo de tango ! E as roupas elegantes dos argentinos! Ah sim e o vinho, o frio, a elegância, o chocolate e mais um pouco de tango ! Buenos Aires tem seus encantos… Mas nem tudo são flores!

    Curtido por 1 pessoa

    1. Boa, muuito obrigada pelo comentário que acrescentou ainda mais ao texto! O metrô de lá me fez achar o metrô do Rio de Janeiro FANTÁSTICO na volta, e El Caminito é um ponto turístico que nem taxista quer ir depois das 16:00.
      E você já foi QUATRO VEZES, olha aí! ahe90ae Tô falando, deve ter algo errado na minha percepção tão pessimista da cidade naquele momento!

      Curtir

  3. Concordo em muitas coisas que vc falou. Nao tem grandes coisas em BsAs mas, as vezes, pelo menos pra mim, respirar ares diferentes faz bem. Acho que pela proximidade com o Rio e baixo custo de viagem, ela seja tao procurada por brasileiros. Parabens pelo post!!!

    Curtido por 1 pessoa

  4. Eu adoro Buenos Aires. Acho que é uma cidade inspiradora! Já fui várias vezes e sempre quero voltar pra descobrir novos segredos. Claro que se a gente fica só nos programas turísticos a viagem pesa o pouco. Por isso costumo procurar por experiências mais autênticas e diferentes. Acho que vale a pena tentar de novo, mas mudar o foco! 😉

    Curtido por 1 pessoa

  5. Eu ainda não fui, mas conversando com amigos que já foram, os relatos deles são um mix de tudo que tu falou. Alguns tb detestaram, outros amaram e já foram outras vezes. Talvez tu não estivesse na vibe. Me aconteceu isso quando fui pra ouro preto a 1°x. Daí passei um tempo e fui de novo (pq na minha head eu tinha q gostar de algo!!), E daí deu o clic, pintou o clima e eu e OP nos apaixonamos!! Vai que acontece isso com vcs tb. Tu and BAs !!! Desiste não!!! Bjs

    Curtido por 1 pessoa

    1. Hahaha muito obrigada, Doda! Você definiu bem, acho que pra quase tudo na vida, até pra viagem, tem que ter aquele “click”. O “click” é fundamental. Vou “dar mais uma chance” pra Buenos Aires um dia, esse seu exemplo de ouro preto foi inspirador pra tentar de novo também! Beijo!

      Curtido por 1 pessoa

  6. Muito interessante seu relato. Acho que depende de cada um e cada gosto, afinal somos todos diferentes. Fui para Buenos Aires com meu marido que é argentino. A cidade me conquistou, comemos em lugares locais e vivenciamos tudo de uma forma diferente. Mas já aconteceu comigo também de me falarem maravilhas de um lugar e eu não gostar. Fazer o que né? Faz parte!

    Curtido por 1 pessoa

    1. É bem interessante isso, né, tem lugares que todo mundo fala bem pra caramba e a gente se frustra, e lugares que todo mundo esculacha e a gente se apaixona! Faz parte mesmo! Acho que viagem tem muito de despertar encanto em pequenos detalhes, de acordo com nosso estado de espírito e nosso gosto no momento. Obrigada por seu comentário!

      Curtir

  7. Eu gosto muito de Buenos Aires e talvez por ter sido a primeira cidade internacional que conheci, reservo um carinho muito grande. Mas gosto é gosto e cada um tem o seu. Claro, como qualquer lugar do mundo a cidade tem seus defeitos e problemas, mas também tem muitas qualidades. 😉 Da primeira visita a cidade pra segunda realmente percebi um ar de abandono, mas ainda assim, acho uma cidade incrível. Acho que vale mais uma tentativa eim. Um abraço.

    Curtido por 1 pessoa

  8. Puxa, que triste ver que a cidade não te ganhou. Eu já fui pra Buenos Aires duas vezes é simplesmente me apaixonei por lá!
    Um dos meus lugares favoritos foi o super ultra mega gigante e bem cuidado zoológico temaiken (nada a ver com o tal Lujan), com um ar todo jurassic park é um aquário lindíssimo, coisa que nunca vi em outro país. Também adorei o espetáculo do grupo fuerza bruta, o que recomendo muito para uma próxima visita. Assisti a um musical no teatro broadway que foi impressionante chamado Extravaganza e a noite curti muito uma festa no Palácio Alsina, uma das melhores casas noturnas que já fui na vida. Além disso, visitei mercados alternativos, tomei sorvetes artesanais em lugares não muito badalados, comi produtos orgânicos numa fazenda que ficava bem próximo de lá e pedalei um monte num parque gigante que fica do outro lado de puerto madero. É incrível como cidades e experiências podem ser tão diferentes e provocar a sua mais diversas impressões em quem as vive não é mesmo? Tenho bons amigos que conheci por lá, inclusive eles foram o motivo da minha segunda viagem e vivo fazendo planos de voltar. Espero que a cidade tenha uma nova chance de mudar sua impressão porque olha, ela é simplesmente incrível!

    Curtido por 1 pessoa

    1. Amilton, seu comentário matou a pau, foi tanta dica boa que quero voltar pra Buenos Aires tipo AMANHÃ! Hahaha
      Sou completamente encantada pelo Fuerza Bruta, citou bem demais, uma das grandes frustrações da minha vida foi justamente não ter conseguido ir lá mesmo!
      Muuito obrigada por todas as dicas!

      Curtir

  9. Que pena que você teve essa má impressão da cidade! Eu adoro BA! Mas de fato, a cidade é muito turística e com isso alguns programas são furada mesmo, como é o caso do Camitino, que em outros tempos pode ter sido interessante, mas hoje virou “pega-turista”. Porém a cidade vai muito além da programação turística. Eu adoro Palermo, com hoteis super gostosos, lojas de design, comida boa, vinho barato, noite animada. MInha dica é, fuja do Caminito, Calle Florida e vai aproveitar a cidade como se fosse sua casa, não um destino de viagem. Com calma e coração aberto! 😀

    Curtido por 1 pessoa

  10. Nunca fui, mas tenho bastante vontade de ir. Talvez uma idéia seja tentar fazer uns programas que os próprios argentinos gostem de fazer, que saia um pouco da rota turística, quem sabe tentar usar o airbnb e alugar um quarto pra ter uma experiência mais próxima.
    Ou pode ser também que a cidade realmente não faz seu estilo e tudo bem =).
    Curti o post, a gente não é obrigado a gostar de tudo hehehe

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s