Quero viajar mais/quero adotar mais cães. E agora?

Não sei se mais alguém compactua dessa insanidade, mas eu tenho sonhos (aparentemente) bem incompatíveis uns com os outros.

Por exemplo: eu queria morar em um apartamento compacto (daqueles pequenininhos e aconchegantes, que remetem à uma cabaninha na praia/floresta, sabe como?), mas ao mesmo tempo queria poder adotar mais cães.

Nunca parei pra pensar direito que um sofreria se o outro se concretizasse (os cães ou o apartamento).

Também queria curtir viagens gostosas com mais tempo e frequência, mas isso implica em parar pouco tempo em casa. E também tinha planos de adotar cachorros mais idosos, pra dar atenção e amor pra eles nesse momento em que precisam. E eles precisam do nosso… tempo.

…Percebe a ironia?

adotar caes e viajar como conciliar2
Mel me derretendo

Parece que eu basicamente escolho a dedo os planos que se excluem completamente, e quero loucamente ambos.

Mas esse texto, além de um desabafo, também é destinado a reunir algumas dicas e informações sobre como conciliar uma vida de muitas viagens e muitos amigos peludos. Dois aspectos sensacionais juntos. A notícia boa é que é plenamente possível.

Viajo muito e quero adotar um cachorro/gato/ rinoceronte/ baleia orca.

O que fazer?

As opções pra quem vai viajar e tem um bichinho são:

1. A famosa “pedir pra alguém ficar com ele”.

Ou levar eles contigo pra Aruba

Essa nem sempre dá pra rolar, não só porque às vezes a gente não se sente confortável (ou seguro) pra pedir e deixar nosso amigo com outra pessoa, mas porque essa pessoa às vezes simplesmente não existe.

Afinal, é uma lista de requisitos muito grande: a pessoa tem que gostar muito de animais (e o seu bichinho tem que gostar da pessoa também), a pessoa tem que estar disponível na mesma época da viagem, e principalmente, a pessoa tem que saber cuidar do bichinho em questão.

Casos de gente que afoga peixe com muita ração no aquário existem aos montes, por exemplo. E não esqueço do caso de um parente que viajou, deixou o cão sob cuidados de outras pessoas, e quando voltou, o cão tinha morrido de calor no verão do Rio de Janeiro, já que provavelmente não ligaram ventilador ou ar condicionado pra ele.

Recentemente um amigo me contou também de 2 hamsters que morreram porque a pessoa encarregada de cuidar pendurou o pote de água muito alto pra eles… dói no coração só de de imaginar, então fica aqui de alerta também.

Se você conhecer (e confiar em) alguém que se encaixe em todos os requisitos pra ser uma boa companhia pro seu animalzinho, peça com carinho, se certifique de tomar todos os cuidados e dar todas as instruções e avisos possíveis, e boa viagem.

Do contrário, essa lista segue.

2. A não tão famosa “pagar pra alguém ficar com ele”

Nos últimos tempos tem surgido muitas opções bacanas nesse sentido. São pessoas que geralmente já tem experiência com animais, tem uma casa com estrutura pra recebê-los muito bem, e se oferecem pra ficarem com ele durante sua ausência, em troca de um valor definido. Os valores variam muito, geralmente de acordo com o “currículo” de pet sitter de cada um.

Você pode ler referências pra se sentir mais seguro, ver fotos, receber atualizações do seu cãozinho por whatsapp e etc.

Pode ser uma saída boa.

Pra quem quiser fuçar opções, o DogHero é um dos sites mais famosos pra isso.

3. Os hotéis de cachorro/gato/etc

Essa é uma das opções mais conhecidas por quem viaja muito e tem animais de estimação, então acho que não preciso discorrer tanto sobre.

Procure hotéis de animais obviamente confiáveis próximos de você, especialmente os que já tenham recomendação de algum amigo ou conhecido (sai perguntando pra todo mundo logo).

Uma amiga minha, do Rio de Janeiro, costumava deixar muito o cãozinho dela no hotel Casa Verde Pet Resort, em Guapimirim, e diz que as experiências foram todas muito positivas. Então já fica aí uma dica pra quem for daqui.

4. “Levar seu cãozinho junto,

Essa tá entre aspas pela ironia da afirmação, já que essa opção é uma das mais complicadas de todas, especialmente quando seu “cãozinho” é na verdade uma mistura adorável de pastor alemão com lobo do ártico de 17 kg e 1 metro e 52 centímetros quando tá em pé – e pra complicar mais um cadinho, você tá viajando pra lugares muito urbanos.

Mas “complicada” é diferente de impossível, então não vamos perder as esperanças.

viajar com cachorro viagens pet friendly.jpg
“ME LEVA” (foto daqui)

Pra quem tem animais de porte pequeno a médio, isso pode ser um pouco mais simples (então já toma nota: se você for uma pessoa que viaja bastante, e acha que isso te impede de adotar cães, é só adotar um médio).

Mesmo sendo mais simples, claro que existe uma certa burocracia que se exige pra levar um cão numa viagem, e até a possibilidade de que ele passe mal. Descubra isso antes, talvez levando seu cão num passeio mais curto.

A Mel, por exemplo, fica querendo vomitar a cada 20 minutos quando tá num carro – puxou a mim, olha que amor (“não”)! Hahaha já falei como enjoo bastante em viagem aqui nesse vídeo e em vários posts.

E na hora de me hospedar com o cãozinho/gato/rinoceronte?

É um pouco mais difícil achar hotéis que aceitem animais dentro do nosso orçamento.

Mas pra quem gosta muito de Airbnb (aliás, quem quiser ganhar 100 reais de crédito pra hospedagem pode se registrar por aqui), vai uma solução boa: dá pra filtrar a busca por opções de apartamentos/casas que aceitem seu bichinho de estimação (mas sério, filtra antes, pra não perder seu tempo, nem gastar o do anfitrião, perguntando se um monoambiente de 35 m² sem tela na janela no 47o andar em Buenos Aires aceita 5 gatos).

Se você prefere hotel de todo jeito, o booking tem uma função de filtrar hotéis pelos que aceitam animais.

viajar com caes como fazer.jpg
Essa cena dos cães da rainha Elizabeth viajando faz tudo parecer fácil

Espero que essa lista ajude e especialmente estimule alguém a seguir firme no plano de adotar um amigo, porque essa foi, sem dúvida, uma das decisões mais sensacionais e recompensadoras que já fiz na vida, e recomendo de coração pra todo mundo.

Como eu disse lá em cima, assim que descobrir como conciliar um apartamento compacto com mais de um cão, quero adotar mais!

Até o próximo post e fucem o 1 viagem, 2 visões no facebook, instagram ou youtube se quiserem também!

7 comentários sobre “Quero viajar mais/quero adotar mais cães. E agora?

    1. Vocês são um ótimo exemplo de como levar o cãozinho pra viagem e até pra TRILHA!!! A cena dela desbravando as trilhas de Monte Verde com vocês foi a coisa mais adorável hahaha
      E a guerreirinha não passa mal em carro?
      Beijo e muito obrigada pelo comentário!

      Curtido por 1 pessoa

      1. Rsss..verdade, sempre levamos nossa pequena quando o passeio não é muito longe. Ela não passa mal, mas fica brava ao andar de carro…vai resmungando o tempo todo….rsss! Bjs e agradecemos por compartilhar das suas dúvidas. ❤❤❤

        Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s